M E N U

segunda-feira, 8 de junho de 2009

SÃO FRANCISCO DE ASSIS

Francisco nasceu na cidade de Assis na Itália. Seus pais chamavam-se Pedro Bernardone e Pica. Seu pai sendo burguês lutava pela condição de ser rico pelo materialismo. Sua mãe tinha um forte espírito religioso. Francisco era como a mãe, e não se prendia ao fato de ter dinheiro, mas vivia intensamente o que gostava; era alegre, amava a paz e a guerra: “... um dia retornarei a Assis como herói, como príncipe”. Buscava a glória galanteando a morte e gostava de seduzir as ocas. Um dia em meio a um bosque, Francisco é surpreendido por uma voz que lhe perguntava:
- Francisco é melhor servir ao Senhor ou ao servo?
Voltou transformado ao ouvir esta voz e parou para refletir; buscou descobrir a vontade de Deus nos sinais, acontecimentos e “gastou” os joelhos oração. Foi no Evangelho que ele encontrou a bela jovem, a dama pobreza a qual considerava sua esposa. O encontro com o leproso ao qual abraçou e beijou (sendo que antes ele repugnava os leprosos), foi o momento especial da graça de Deus que lhe revolucionou a vida e deu o empurrão decisivo rumo a vocação e conversão do jovem de Assis.
Quando este fez a experiência com Deus, começou a ter reações diferentes e se despiu de tudo o que é terreno, até dos familiares. Ouviu o pedido do Senhor diante de uma pequena igreja abandonada. “- Francisco vai e reconstrói a minha igreja”. De imediato ele passou a construir, não entendendo que o Senhor falava da igreja humana. Ele despertou para isso ao ouvir o padre pregando o Evangelho da missa. Por insistência junto ao Papa, com os irmãos conseguiu a aprovação da Ordem franciscana. Eles viviam a pobreza com muita alegria, mas a alegria de Francisco situa-se para além da pobreza e da humildade. É o milagre do amor, aceito e vivido no dia-a-dia. Seu tenro e profundo amor por Jesus pobre e crucificado levava-o muitas vezes a chorar e lamentar-se em alta voz. Choro a paixão do meu Senhor; não devo envergonhar-me de andar chorando por Ele em alta voz e pelo mundo inteiro, pois o “Amor não é amado”.
Francisco disse ao seu respeito: “os olhos santíssimos de Deus não encontraram ente os pecadores nenhum mais vil, nem mais pecador do que eu... por isso me escolheu para confundir a nobreza, a grandeza, a beleza, e a sabedoria do mundo, a fim de que reconheça que toda a virtude e todo o bem é Dele e não da criatura.
Dizia ainda que a perfeita alegria esta em suportarmos com paciência, alegria e de bom, coração as contrariedades da vida.
“Meus irmãos, comecemos a servir ao Senhor porque até agora, pouco temos feito” (...)
“Com tudo que sofro, sinto-me tão próximo de Deus que não posso senão cantar(...)”
São Francisco de Assis.
Texto de Décia Oliveira - (Fraterno III da Javé Shammá)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PESQUISA